Instagram ganha mais força
Rede Social é a que mais tem crescido em número de seguidores de marcas, segundo relatório desenvolvido pela FAAP e Socialbakers
8 Novembro 2018  |  16:13h
Data:
Cidade:
A mais recente pesquisa #MS360FAAP, desenvolvida trimestralmente pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital (NiMD) da Faculdade Armando Alvares Penteado (FAAP), em parceria com a Socialbakers, dá conta de que os usuários do Instagram tem seguido cada vez mais marcas nessa plataforma. Nos meses de julho, agosto e setembro, a média de crescimento no número de seguidores na rede soacial, dentro dos perfis das marcas monitoradas, foi cerca de 140 mil. No trimestre imediatamente anterior, o valor médio foi de 99 mil novos seguidores.

"Nos últimos anos, o público jovem, principalmente entre 18 e 24 anos, passou a valorizar as redes de nicho como o Instagram ou as redes privadas como o WhatsApp", explica o professor Adriano Cerullo, um dos pesquisadores do NiMD e coordenador da pós-graduação em Branded Content & Entertainment da FAAP. Ainda segundo o especialista, em redes mais populares como o Facebook, esse público se sente excessivamente exposto, porque não quer, por exemplo, que os pais fiquem comentando em suas publicações.
 
As marcas têm feito, em média, 22 publicações por semana no Instagram, o mesmo número indicado no relatório do trimestre anterior - abril, maio e junho. São cerca de 3 publicações por dia. Outro dado interessante do relatório diz respeito às postagens do tipo carrossel, com mais de uma foto ou vídeo. "Esses posts são os que mais geraram curtidas e comentários nos perfis das marcas", explica a professora Karina Bousso, que também participa do estudo. No entanto, em perfis de celebridades, também avaliado no estudo, foram as postagens com apenas uma imagem que geraram mais "likes" entre os usuários.
 
FACEBOOK
Ainda que seja a rede com mais seguidores, o Facebook começa a enfrentar uma diminuição no ritmo de crescimento. No segmento "Marcas/Institucional", o crescimento médio de fãs caiu de 83.325 nos meses de abril, maio e junho, para apenas 50.505, entre julho, agosto e setembro. Mas, a queda maior - e mais surpreendente, por se tratar de um período eleitoral - se deu entre os perfis de "Mídia". Nesse segmento, o crescimento médio de 21.621 fãs verificado no segundo trimestre deste ano caiu para 6.270 no terceiro período analisado.
 
Para o professor Thiago Costa, coordenador da pós-graduação em Comunicação e Marketing Digital da FAAP, pode se tratar de um reflexo das chamadas Fake News. "A descrença nos veículos de comunicação tradicionais pode explicar essa redução no volume de crescimento, especialmente se considerarmos o momento que vivemos no País", diz.
 
ATENDIMENTO AO CLIENTE
Apesar da queda no volume de crescimento de fãs no Facebook, houve uma mudança positiva por parte dos perfis da categoria "Marcas/Institucional", que diminuíram o período de tempo para responder ao seguidor por essa plataforma. No trimestre anterior, de abril a junho, a média do tempo de resposta era de 21 horas. De julho a setembro, o tempo caiu para 15 horas.
 
Ainda no Facebook, vale destacar outra modificação no formato de publicação. "No último trimestre, o que se viu foi um grande percentual de investimentos em publicações promovidas. Nesta edição, percebe-se que as empresas estão diminuindo seus investimentos e apostando cada vez mais no alcance orgânico", acrescenta o professor Adriano Cerullo.

O levantamento mede as atividades dos 100 perfis de negócios com mais interações nas mídias sociais do Brasil, dentro dos setores Mídias e Notícias, Bens de Consumo, Entretenimento, E-Commerce e Marcas / Institucional. Traz, ainda, dados dos 100 perfis de influenciadores digitais com mais interações.
Fonte:
Tags: