Walmart investe em self-checkouts
Rede avança com projeto de transformação das lojas com instalação de caixas de autoatendimento
10 Abril 2018  |  16:49h
A - A +
Data:
Cidade:
O Walmart Brasil deu início à instalação de caixas de autoatendimento em hipermercados e supermercados pelo país em mais uma etapa do projeto de renovação das lojas, cujo investimento total é na ordem de R$ 1,5 bilhão até 2020. Nos próximos três meses, cinco unidades receberão 26 caixas de autoatendimento, com previsão de chegar a 100 terminais em operação por toda a rede até 2019. A primeira unidade a receber a novidade foi o hipermercado no Tamboré, em Alphaville (SP), onde seis caixas de autoatendimento foram instalados, com o objetivo de reduzir o tempo de fila para pagamento, oferecendo uma nova experiência de compra aos clientes. Depois de São Paulo, a marca pretende levar os caixas de autoatendimento para lojas de Curitiba, Porto Alegre, Recife e Salvador.

"Esse investimento faz parte do projeto de transformação de lojas para que os clientes possam ter ainda mais conforto e agilidade quando visitarem nossas unidades. O autoatendimento faz parte dos novos hábitos de consumo no varejo e, por isso, precisamos cada vez mais oferecer formas diferentes de aumentar o poder de decisão dos consumidores sobre como preferem ser atendidos", diz Bernardo Perloiro, vice-presidente de operações, comercial e marketing do Walmart Brasil. Nessa fase de piloto, os consumidores que entram na loja no Tamboré estão sendo convidados a utilizar as máquinas em comunicados feitos por mensagem via SMS, enviada por tecnologia de geolocalização, e de forma presencial com promotores, que também estão esclarecendo dúvidas e auxiliando os clientes nos processos de compra.

O self-checkout é configurado nos idiomas português, inglês e espanhol e é composto por três divisões: base de apoio para produtos, leitor de código de barras com tela de informações e área de empacotamento de mercadorias. As áreas dos caixas rápidos de autoatendimento também contam com a assistência de um funcionário dedicado para ajudá-los em situações de erros ou dúvidas.

O primeiro passo é recolher os itens do carrinho e da base de apoio para produtos, registrá-los por meio do scanner um de cada vez e, em seguida, colocá-los na área de empacotamento, a qual já conta com sacolas para transporte. Após a leitura do primeiro produto, os clientes podem optar por incluir ou não o CPF no cupom fiscal. Para frutas e verduras, o cliente seleciona na tela o nome do produto que está sendo comprado e o pesa na balança, localizada na parte central do equipamento. No caso de registro de itens restritos, como bebidas alcoólicas e cigarro, a luz amarela é acesa e a autorização da compra é feita somente após entrega de documento ao supervisor que comprove a idade mínima de 18 anos.

Ao finalizar o registro de todos os produtos, os consumidores passam para o momento do pagamento, escolhendo na tela se irão pagar a compra por meio de cartões de débito, crédito, vale-alimentação ou cartão presente, não sendo disponível o pagamento em dinheiro. Ao finalizar a transação, é emitido o cupom fiscal, no qual é impresso um QR Code para que o cliente apresente na saída da área de autoatendimento. Os terminais ainda contam com sinalização luminosa na parte superior, nas cores verde (liberado), amarelo (atenção) e vermelho (interrompido), que indicam aos clientes e ao supervisor se todo o processo de compra está ocorrendo normalmente ou se requer algum tipo de ajuda.
Fonte:
Tags:
Comentários

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.

Enviar Comentário