Impacto negativo
Campanha publicitária, taxada de racista, derruba satisfação do consumidor no setor de bens de consumo
14 Novembro 2017  |  11:58h
A - A +
Data:
Cidade:
Uma campanha publicitária nos Estados Unidos, acusada de racista, derrubou a satisfação dos consumidores no setor de bens de consumo, que apresentou variação negativa de 26,3pp - passando de 77,3% em setembro para 51% no mês passado. A informação é do Índice Nacional de Satisfação do Consumidor (INSC), medido pela ESPM, que também teve queda - de 0,9pp, caindo de 52,6% para 51,7% em outubro. O setor de bens de consumo avalia quatro grandes empresas - Unilever, Hypermarcas, P&G e Bombrill. Em outubro, a repercussão negativa de um filme sobre um produto da marca Dove, que pertence à Unilever, foi tão grande que causou polêmica também no Brasil, além de comentários pedindo boicote à marca.
 
Outros dois segmentos apresentaram quedas expressivas na satisfação dos consumidores. Um deles foi o de vestuário - retração de 4,7pp, passando de 77,5% em setembro para 72,8% no mês passado. As causas apontadas pelo INSC são as polêmicas envolvendo o principal dirigente de uma das redes, que, além de ter apoiado publicamente a portaria do trabalho escravo, foi alvo de denúncias de coação, calúnia e injúria. Neste setor, o estudo analisa as redes Colombo, Marisa, Renner e Riachuelo. Também negativa foi a avaliação da indústria digital - retração de 2,8pp, caindo de 80,2% em setembro para 77,4% -, em razão de publicações sobre prejuízos, queda nas vendas e denúncias de que hackers estariam conseguindo ligar fogões de uma das quatro marcas pesquisadas: HP, Itautec, LG e Positivo.
 
Por outro lado, em outubro, as maiores altas na satisfação dos consumidores foram dos setores de aviação e da indústria automobilística. O primeiro teve variação positiva de 4,1pp - saltando de 29,6% em setembro par 33,7%. O resultado está diretamente relacionado à performance de uma companhia aérea, mencionada favoravelmente na Internet em razão de suas promoções, bem como por sua revista de bordo. As empresas avaliadas são Avianca, Azul, Gol e Latam. A indústria automobilística apresentou aumento de 1,6pp - passando de 66,2% em setembro para 67,8% no mês passado, em virtude de notícias sobre o evento de um dos players do setor, durante o qual seria anunciado o nome do novo carro da marca, o que gerou uma série de brincadeiras e comentários positivos. O INSC analisa Fiat, Ford, GM e Volkswagem.

DEMAIS SETORES
Dos 23 segmentos pesquisados pelo INSC, indicador brasileiro com dados totalmente levantados na internet, 17 apresentaram variação negativa em outubro. Além de bens de consumo, vestuário e indústria digital, a retração ocorreu em lojas de departamento, drogarias, eletroeletrônicos, personal care, bebidas, indústria alimentícia, bancos, seguradoras, comunicações, indústria farmacêutica, convênios médicos, saneamento básico, energia elétrica e gás. Os outros tiveram aumento: supermercados, hospitais & laboratórios, transportes metropolitanos e construtoras, além da indústria automobilística e aviação.
Fonte:
Tags:
Comentários

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.

Enviar Comentário