O cartão vai acabar?
Uma reflexão sobre o fim do cartão de plástico como conhecemos
11 Dezembro 2017  |  12:15h
A - A +
Data:
Cidade:
Percival Jatobá
Autor: Percival Jatobá

Tem uma pergunta que me fazem quase toda semana: "Percival, quando você acha que o cartão de plástico vai desaparecer?". Talvez, o que tenha gerado tantas perguntas são os mais recentes lançamentos dos wearables e dos pays no Brasil. Hoje, testemunhamos o que chamo de Desconstrução do Plástico, ou seja, os dados ou credenciais continuam coexistentes, inseridos em outros formatos e devices. 

Você pode pagar com o celular, com uma pulseira, relógio e, muitas vezes, o pagamento também pode ser realizado automaticamente dentro de aplicativos, como o que acontece nos apps de transporte, por exemplo. E isso vai ganhar ainda mais força com a popularização da Internet da Coisas. Segundo um estudo da Gartner, até o ano de 2020, serão 20 bilhões de dispositivos conectados e integrados à economia global. Ou seja, mais de 20 bilhões de possibilidades de pagamento. Não vai demorar muito para você fazer um pagamento com a sua geladeira ou o seu carro. Mesmo assim, ainda existem e existirão os que preferem tirar o cartão da carteira para efetuar uma compra, e isso ainda vai perdurar por muitos anos. 

A principal questão aqui é o chamado empoderamento do consumidor. As pessoas buscam cada vez mais soluções que atendam às suas necessidades e que estejam inseridas na maneira como se relacionam socialmente. O nosso trabalho como empresa é oferecer diferentes formas de pagar para que os consumidores escolham qual delas melhor se adequa ao seu cotidiano. E muitas vezes, a resposta poderá ser mais de um meio de pagamento. Pode ser que hoje eu esteja na praia, e queira pagar com minha pulseira, mas, amanhã, no shopping, eu use meu cartão. 

Uma prova de que o cartão ainda tem muito fôlego, são as inovações que temos desenvolvido para o plástico. Despois do chip, que praticamente eliminou as fraudes no mundo físico, inúmeras tecnologias e novos designs foram inseridos no cartão. Enumerei as principais:

1. Contactless: hoje, aqui no Brasil, você já encontra alguns exemplos de cartões com a tecnologia sem contato. Ela permite que a sua compra seja efetuada sem que o cartão necessite ser inserido no terminal de pagamento - 3 milhões de POS já são habilitados com a tecnologia em todo o território brasileiro. Basta aproximar o cartão, inserir sua senha caso seja solicitado e pronto! Em uma época em que agilidade é mais importante do que nunca para os consumidores, acelerar os pagamentos no caixa é cada vez mais primordial para os estabelecimentos comerciais.  Além disso, a tecnologia sem contato oferece também eficiência operacional, agilidade, redução das filas e uma economia de manutenção dos POS.

2. Quick Read: outra mudança simples, que tem facilitado a vida de muita gente. Trata-se de uma inovação de design, que traz o número da conta e o código verificador - aqueles 3 dígitos que normalmente ficam no verso do cartão - agrupados na vertical de 4 em 4 números na face ou no verso do cartão, para facilitar a leitura e agilizar as compras no comércio eletrônico.

3. Novos materiais: nesse caso, talvez, o plástico seja substituído. Temos visto ao redor do mundo, novos cartões sendo feitos com os mais diferentes materiais, como metais, madeira, PVC reciclável. 

4. Customizados: outra tendência que tem crescido muito e que já fazemos aqui no País há algum tempo. Como adiantei, para muitas pessoas, o uso do cartão é cultural e recorrente, então por que não usar o plástico com uma foto da sua família, do seu filho ou do seu cachorro? Temos feito vários projetos nesse sentido com emissores brasileiros e internacionais, os cartões customizados.

5. Segurança: muitas novidades também estão relacionadas ao tema, principalmente para as compras online. Já vemos cartões com o código de segurança, o CVV, randômico, que funciona como token dentro do cartão, que muda regularmente. 

Resumindo, a resposta da pergunta que fiz no título desse artigo é simples. Não veremos o fim do cartão na nossa geração. Isso porque o cartão da forma como conhecemos faz parte do nosso dia a dia e da nossa cultura. Mesmo com o surgimento de novos meios de pagamento, ele ainda é e será uma das principais escolhas na hora de pagar.

Percival Jatobá é vice-presidente de produtos da Visa do Brasil.
Fonte:
Tags:
Comentários

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.

Enviar Comentário